Bodas de Prata do Padre Júlio

 

Uma Igreja Repleta de Gente e de Fortes Emoções

 

Reportagem Fotográfica

Aspectos da cerimónia das Bodas de Prata, em Vídeo, no You Tube

Ver cerimónia integral em Video

Entrevista do Padre Júlio dada ao Jornal "Soberania do Povo" por ocasião das suas Bodas de Prata Sacerdotais

 

Na noite de quinta-feira, dia 29 de Janeiro, o nosso Pároco, desde 9/10/88, Padre Júlio Grangeia comemorou as Bodas de Prata de Sacerdócio, ministrado na Igreja de Águeda em 29/1/84, por D. Manuel Trindade, sendo então nomeado pároco de Castanheira do Vouga.  

Esta efeméride reuniu na Igreja de Travassô 23 Padres e Diáconos, para além do Bispo da Diocese D. António Francisco e do Vigário Geral da mesma, M, João Gaspar e o templo abarrotou como nunca, coma presença dos familiares do homenageado e com amigos de Vagos, Ílhavo, Castanheira, Águeda, Barrô e centenas de paroquianos de Travassô, Óis da Ribeira e Espinhel, actuais paróquias a seu cargo.

 

A Eucaristia Festiva presidida pelo Bispo da Diocese, vindo de Portalegre para “comemorar um dia de verdadeira alegria e esperança para a Igreja de Aveiro”, como frisou na sua homilia, durou duas horas e ninguém sentiu cansaço pois o tempo correu veloz, para quem ainda cedo já guardava o seu cantinho. A dinamização foi feita pelos corais das três paróquias que ocuparam o “coreto” do templo para deixar mis espaço para quem de mais longe, vinha participar numa festa que foi inédita em Travassô.

Inédita pelo empenho e motivação dos participantes e pelas emoções sempre ao rubro, com silêncios contundentes, o que fez com que o Padre Júlio, permanecesse de lenço nanas mãos, pelas lágrimas que irrompiam sem querer e que permaneceram até ao fim, embargando-lhe a voz, quando finalmente teve que “enfrentar” toda aquela gente emudecida.

O Ofertório foi naquela noite, mais solene e para além da Luz da Vela, do Trigo e das Uvas, das Flores que foram levadas ao Altar, como boas – vindas a D. António Francisco e ao Padre Júlio pelo aniversário de Ordenação, a Paróquia de Espinhel ofereceu duas estolas para uso pessoal do pároco.

As surpresas e prendas não faltam em dias festivos e naquela noite, o Padre Júlio foi confrontado com quatro testemunhos inesperados, mas preparados como “Acção de Graças”, atendendo às funções que tem e que já desempenhou como professor na Escola Adolfo Portela em Águeda e na comunicação social, “que o deixaram todo partido” conforme declarou àquela multidão e de lágrimas na voz, afirmando “não merecer muitos dos elogios que ouvira” e pediu desculpa pelas vezes em que não “é o Padre ao jeito das pessoas”, mas comovendo a todos, quando se dirigiu aos seus familiares, especialmente à mãe, que, e afirmou…”quase já não me vês com os teus olhos mas sim com o teu coração te agradeço pelo que sou”…

D. António Francisco, “semeando” simpatia e humildade, irrompeu pela multidão, e foi depositar nas mãos de Helena Grangeia, Mãe do Padre Júlio, as flores que ele mesmo recebera, abraçando-a carinhosamente, um gesto perene, irrepetível, inesperado, comovendo quantos ali estavam, que retribuíram o singular momento com uma forte ovação.

Como anfitriã, a Paróquia de Travassô agradecida, ofereceu ao Bispo da Diocese, a Monsenhor João Gaspar e ao Padre Fernando Pinto, amigo e colega do Padre Júlio, que festejara no dia 15 de Janeiro em Sôsa/Vagos, também as Bodas de Prata, três réplicas da nossa Igreja Matriz, feitas em exclusivo, por António Monteiro, restaurador de Arte Sacra de Aveiro, que se tem estado a recuperar toda a talha de um altar da capela de Almear. E as surpresas não se ficaram por ali…

 

...“Benditas as Tuas Mãos”…

 

Depois dos “testemunhos”, foi a vez de presentear o Padre Júlio. Uma Flor-de-Lis artesanal, foi oferecida pelo Agrupamento de Escuteiros de Travassô, do qual é o Assistente e o Presidente da Junta de Freguesia também o contemplou em público com uma medalha comemorativa.

Os Padres e colegas ali reunidos, porque estamos no “Ano Paulino”, ofertaram a imagem de S. Paulo e a Paróquia de Travassô levou o Padre Júlio novamente às lágrimas que o impediram de ler a dedicatória, numa peça em gesso pintado, onde sobressaía ele próprio como celebrante, de cálice na mão, esculpido manualmente também por António Monteiro, em memória da “missão das mãos do sacerdote”.

Ficou “sem fala” com a obra – prima tão pessoal e foi aos “solavancos”, que foi lendo a dedicatória também singular, em voz alta para a numerosa plateia mergulhada no silêncio da expectativa…”Benditas as Tuas Mãos”…” mãos que Servem; mãos que Congregam; mãos que confortam; mãos que perdoam; mãos que Abençoam; mãos que Consagram; mãos que se elevam aos Céus, …e Tu, estás nas Mãos de Deus”…

Foi um momento sublime em que as palmas falaram mais que mil palavras, pois o dom do Sacerdócio, festejado naquela noite, segundo D, António Francisco foi “expressivo demais, com solenidade expressando o respeito e carinho das comunidades ao padre confiadas”…

 

Helena Nogueira (Correspondente do jornal "Região de Águeda"

 

 

 

Jantar de Convívio Congregou, Clero, Família, Amigos e Paroquianos

 

Fotos – Cantando os parabéns e apagando as velas

Padre Júlio com a prenda oferecida por todos os inscritos no jantar com a seguinte dedicatória:

 

        “Tu Te Consagraste Para:

S…ervir a Deus e ao Próximo

A…nunciar a Palavra

C…elebrar os Sacramentos

E…nsinar a Desculpar

R…econciliar pelo Amor

D…oar e dar a Vida

O…lhar com o Coração

C…onstruir a União

I… ndicar o Caminho

O…rientar e dar a Mão

 

 

São “Gestos de Prata” que perduram na Eternidade… rumo ao “Ouro”…

 

Segundo nos declarou o Padre Manuel Armando, o Arcipreste de Águeda, o que mais o impressionou naquela noite, foi…”a simplicidade das pessoas, que com o Padre Júlio quiseram viver com ele o Ministério do Sacerdócio, bem patente em tudo o que lhe deram e prepararam”!...

O convívio foi no restaurante Pôr do Sol em Óis da Ribeira, já com a água da cheia da “pateira” que transbordou, a ondular juntinho à parede do salão ( 1 2), o que limitou o estacionamento de tantas viaturas…Tudo se arranjou pois o alerta foi dado a tempo e as pessoas foram compreensivas, deixando os carros pelas ruas das imediações.

A Sopa, os rojões com chouriça e grelos, vieram matar “ a malvada que já bradava aos céus pelo jejum de horas” e o pudim e o bolo de aniversário adoçaram a noite, que ainda reservara novas surpresas.

A OF 12 de Abril de Travassô, ofereceu uma salva de Prata, os franciscanos António Castro e Paulo Ferreira uma placa de S. Francisco de Assis, Grupos de Catequese, versinhos e quadros e a Junta de Freguesia de Espinhel e o Centro de Paradela e o Social Arco Íris, ofereceram ao pároco, peças cerâmicas alusivas ao evento e com a respectiva foto estampada.

Um paroquiano já idoso, mostrou os seus dotes na poesia e o Bispo D. António Francisco sorrindo, acabou por “confessar” publicamente o que a Mãe do Padre Júlio lhe confidenciara na Igreja quando a abraçou e lhe deu as suas flores…” A minha gratidão é imensa para com todos porque estes momentos de convívio fraterno, são sempre anunciadores de esperança que novas vocações possam surgir. Mas perguntei a D: Helena Grangeia como despertara a vocação no seu filho e ela disse-me ao ouvido…em criança, mas antes dele nascer já essa vontade existia em mim”…

Depois do bolo partido e do espumante, já de madrugada a alegria ía estampada no rosto de cada um, que na generalidade, se sentiam gratos, pela partilha de momentos inolvidáveis e nunca vividos até então.

 

Helena Nogueira

 

Testemunhando, agradecendo e Louvando...

... O Padre, O Professor, O Colega e o Cibernauta       

( Filmagem de cada no You Tube)

 

 - Ilda Lopes, doméstica de Travassô -  …” O Padre Júlio sabe ouvir, quando o abordamos, sem criticar nem condenar. Sabe explicar muito bem a Palavra de Deus; soube aproveitar as novas tecnologias, para levar longe a Mensagem de Deus e soube juntar pessoas, praticantes ou não, organizando o Dia da Paróquia. Nesta missão tão difícil conte connosco porque sozinho é impossível”…

 

- Ricardo Almeida, agora enfermeiro nos HUC, de Travassô - … “ Como Professor, foi mestre, ensinando, educando e falando de assuntos que eram tabu, introduzindo com delicadeza o Amor. Sempre diferente em ambiente comum, usava essa diferença como um trunfo, abrindo a porta a quem não estava inscrito na Aula de Religião e Moral, recebendo os alunos mesmo fora das aulas, formando e aconselhando”…

 

- Corália Almeida, professora na escola Adolfo Portela - (Depoimento da Professora Corália) …”Há pessoas que por cruzarem nossa vida, tornam tudo mais certo em nós e à nossa volta. Como colega tinha uma multiplicidade de presenças, disponível para ouvir, teimoso nas suas convicções, generoso, bom observador, avesso a protagonismos, não deixava passar em branco as nossas preocupações e brindava-nos nas reuniões com palavras caras… Animava os intervalos, desdramatizava as nossas angústias e com um sábia prudência falava das histórias dos alunos, tornando-nos mais sensíveis para encontrar soluções. Foi ganhando um lugar afectivo e efectivo e se perdi o colega encontrei um amigo com presença marcante e transformadora, a quem agradeço por ter cruzado o meu e os caminhos dos meus colegas e dos nossos filhos”…

 

 - Jorge Castanheira, bancário de Águeda – ( Depoimento do Jorge Castanheira) …“Há 25 anos tive o privilégio de ver chegar o Padre Júlio à nossa região, com a chama intensa de evangelizar e incentivar os ensinamentos de Cristo, numa linguagem clara e moderna. Aprendi muito com a sua humildade e coragem que teve e sempre com o mesmo sorriso e serenidade ajudava a resolver os problemas para os quais o procurávamos. Deus deu-lhe os Dons da adaptação e aprendizagem pelas novas tecnologias e começou nas comunicações de forma peculiar, através da Rádio CB, depois Via Éter -Via Rádio com as suas crónicas semanais e outros programas e finalmente via Internet, é conhecido até além fronteiras, pelo Padre Cibernauta. Teve a coragem de colocar as tecnologias mais avançadas, para apoiar milhares de cidadãos, dando luz às suas vidas com o seu jeito peculiar e a palavra amiga. Conheci um homem de carácter, honesto e que preza muito os valores da vida, encorajando quem precisa sempre com o intuito de com essa forma de evangelizar, continuar a sentir e a descobrir Jesus Cristo”…

 

- Dom António Francisco – Bispo de Aveiro – “ Um Sacerdote hoje é chamado a ser Luz do Mundo e o Pe Júlio, fê-lo na humildade da sua vida, num serviço que é permanente e por isso peço que tenha saúde para continuar a sua Missão. Não podemos ignorar o seu pioneirismo nas comunicações sociais, quando o Papa nos pede que usemos as novas tecnologias para evangelizar o povo, o que tem sido um desafio para o Padre Júlio. Nestes 25 anos de sacerdócio é preciso olhar o passado com gratidão e o futuro com esperança, mesmo nas horas difíceis e é urgente na era digital, continua atento e corajoso no anúncio da Palavra, na descoberta de caminhos novos que não têm barreiras nem fronteiras, para que o teu exemplo seja uma aprendizagem dos caminhos de Deus que continua a chamar os jovens…”

 

Helena Nogueira (Correspondente do Jornal "Região de Águeda")

 

 

PADRE JÚLIO CELEBROU BODAS DE PRATA

( Correspondente do Jornal "Litoral Centro")

 

O Padre Francisco Júlio Grangeia Pinto, pároco das freguesias de Travassô, Óis da Ribeira e Espinhel, comemorou na passada quinta-feira, dia 29 de Janeiro, as bodas de prata da sua ordenação como sacerdote, numa cerimónia à qual os seus paroquianos, antigos alunos, professores, sacerdotes, presbíteros e muitos amigos, não quiseram deixar de marcar presença, numa sentida homenagem ao padre, ao homem, ao confidente, ao amigo.

As cerimónias comemorativas dos 25 anos da ordenação presbiteral do Padre Júlio iniciaram-se com a celebração de uma Eucaristia na Igreja de Travassô, que foi demasiado pequena para acolher todos quantos quiseram manifestar o seu reconhecimento pelo trabalho do homenageado. A Eucaristia foi presidida pelo Bispo de Aveiro, D. António Francisco dos Santos, que, ao longo da mesma, frisou a importância das vocações e o apoio da família na caminhada daqueles que, como o Padre Júlio, um dia pensam seguir o caminho do sacerdócio. Esta cerimónia ficou ainda marcada pelos testemunhos dados na Acção de Graças por várias pessoas que, ao longo dos últimos 25 anos, conviveram de perto com o Padre Júlio, tendo todos eles sido unânimes em apontar este homem como alguém que irrompeu nas suas vidas e a transformou autenticamente, dando-lhes a conhecer os ideais, as bases de um projecto de amor como é o projecto de Jesus Cristo. Os testemunhos de uma catequista, um ex-aluno, uma colega professora da Escola Secundária Adolfo Portela e um colega dos tempos da rádio deixaram o Padre Júlio emocionado com as palavras que lhe foram dirigidas. Ainda durante a Eucaristia foram entregues vários presentes ao Padre Júlio por parte das Comissões Fabriqueiras das paróquias que tem ao seu encargo, pelo Agrupamento de Escuteiros de Travassô e pelos seus colegas sacerdotes e diáconos.

Depois da Eucaristia, que se prolongou por mais de duas horas, as cerimónias prosseguiram no restaurante Pôr-do-Sol, em Óis da Ribeira, com um jantar no qual participaram mais de 300 pessoas. Durante o jantar era notória a alegria do Padre Júlio com o calor humano presente nesta merecida homenagem, tendo no decurso do mesmo, agradecido a presença de todos os amigos, sinal de que o seu trabalho está a seguir o bom caminho. Após serem cantados os parabéns ao homenageado, foram entregues mais lembranças, quer pelas organizações ligadas à Igreja, quer pelas várias instituições sedeadas nas várias paróquias, em sinal de reconhecimento pelo apoio que o Padre Júlio sempre tem dado aos projectos de desenvolvimento dos lugares, apresentados pelas mesmas.

 

João Coelho